Disponível em: English (Inglês) | Français (Francês) | Português | Español (Espanhol) |

Uma das principais manchetes relacionadas à religião gira em torno do declínio do cristianismo na América do Norte. Hoje, a Europa ocidental é classificada como pós-cristã e as pesquisas reportam constantes declínios na crença, na membresia e na identificação religiosa. Ao longo do último século, contudo, o cristianismo deslocou-se de forma acentuada do Norte Global para o Sul Global, com um crescimento dramático das populações cristãs em locais como a África Subsaariana e o Leste Asiático[1] – fenômeno que parece persistir no século 21. Este artigo oferece uma análise diferenciada para a grande indagação mundial a respeito da maior religião do mundo: está encolhendo ou deslocando-se?

A 3ª edição da Enciclopédia Cristã Mundial [World Christian Encyclopedia] ajuda a responder a essa pergunta apresentando um retrato verdadeiramente global do cristianismo.

A 3ª edição da Enciclopédia Cristã Mundial [World Christian Encyclopedia][2] ajuda a responder a essa pergunta apresentando um retrato verdadeiramente global do cristianismo. Entenda-se por “verdadeiramente global” a dimensão da presença do cristianismo em todos os países e entre muitos povos, mas de forma mais fundamental, em sua contextualização nas culturas do mundo e seu envolvimento com o restante da humanidade. Em 2018, a África tornou-se o continente com o maior número de cristãos, superando a América Latina (que havia superado a Europa em 2014). É um marco para o cristianismo africano, que dá origem a vários questionamentos importantes relacionados ao deslocamento do cristianismo para o Sul Global. Os recursos cristãos também estão se deslocando? Os textos teológicos estão mudando? Os relatos globais do cristianismo estão sendo escritos? O Sul Global é a sede dos novos “centros” do cristianismo global, enquanto o declínio gradual do cristianismo no Ocidente ainda persiste. Todas essas tendências contribuem na avaliação da condição do cristianismo no século 21.

Enciclopédia Cristã Mundial, 3ª edição

A Enciclopédia Cristã Mundial representa a mais abrangente tentativa de quantificar os adeptos do cristianismo e de outras religiões do mundo. O esforço contínuo ao longo de 50 anos já documentou a afiliação a 18 tradições religiosas/não religiosas no passado, no presente e no futuro, bem como detalhes sobre o cristianismo até o nível denominacional de cada um dos 234 países do mundo. A abrangência e a profundidade de seu conteúdo tornam essa enciclopédia um dos livros mais citados no cristianismo mundial e nos estudos missionários. Desde a publicação da primeira edição, em 1982, nenhuma outra obra de referência sobre o cristianismo mundial equipara-se à sua abrangência global.

Para a terceira edição, os pesquisadores contataram todas as denominações conhecidas em todos os países do mundo a fim de obter informações atualizadas sobre seus adeptos. Especialistas e líderes religiosos locais ajudaram na verificação dos números e na revisão dos dados, especialmente em países de difícil acesso. Nesse sentido, a base da Enciclopédia permanece a mesma, com dados quantitativos confiáveis e bem pesquisados sobre o cristianismo global e outras religiões. Essa edição também aprimora sua apresentação do cristianismo em todo o mundo, superando a categorização padrão das duas edições anteriores. A descrição de cada país inclui informações sobre as especificidades do cristianismo nesse contexto, como: educação teológica, gênero, saúde, mudanças climáticas, violência, política ou outras tendências contemporâneas. Como resultado, a terceira edição é mais contextualizada para as experiências vividas por cristãos em todo o mundo.

Muitas mudanças na natureza do cristianismo mundial dificultam esse tipo de pesquisa demográfica. As estruturas denominacionais tradicionais estão muito mais flexíveis do que costumavam ser, com uma quantidade significativa de dupla afiliação entre tradições (por exemplo, muitos católicos batizados são, hoje, pentecostais) e linhas menos definidas no que se refere à membresia da igreja. As denominações protestantes históricas estão perdendo membros para igrejas independentes, desconectadas de qualquer tipo de estrutura ou rede, que são muito mais difíceis de investigar. Também é um desafio tentar acompanhar o acentuado crescimento em comunidades cristãs clandestinas na Ásia. O cristianismo pentecostal/carismático está experimentando o crescimento mais rápido, mas, por diversas razões, o contato com essas igrejas, especialmente na África, pode ser complicado. Mesmo assim, a Enciclopédia representa nossos melhores esforços para oferecer uma resposta a uma questão urgente relacionada ao cristianismo em todo o mundo: está encolhendo ou deslocando-se? A resposta, talvez, não surpreenda: as duas coisas.

O deslocamento do cristianismo do Norte Global para o Sul Global

Nos últimos 120 anos, houve muito pouca variação na porcentagem do mundo que é cristã. Em 1900, o cristianismo correspondia a 34,5% da população mundial; em 2020, o número era de 32,3%. Essa relativa estabilidade, no entanto, encobre mudanças dramáticas na demografia do cristianismo. O gráfico abaixo demonstra que, em 1900, 82% de todos os cristãos viviam na Europa e na América do Norte; em 2020, esse número caiu drasticamente para 33%.

A close up of a logo Description automatically generated
Cristãos por continente, 2020: América do Norte: 268 milhões; Europa: 565 milhões; Ásia: 379 milhões; América Latina: 612 milhões; África: 667 milhões; Oceania: 28 milhões; │Distribuição Norte/Sul: 1900: 82% de todos os cristãos em Norte global; 18% de todos os cristãos em Sul global; 2020: 33% de todos os cristãos em Norte global; 67% de todos os cristãos em Sul global

O encolhimento do cristianismo no Norte Global e seu deslocamento para o Sul Global representam as características essenciais que definem o cristianismo mundial no início do século 21. Como acontece no restante do mundo, o cristianismo também tem se tornado cada vez mais urbano, com o surgimento de cidades no Sul Global com grandes populações cristãs, como Lagos e Kinshasa. O cristianismo é visto em todo mundo como uma religião branca. Trata-se de uma percepção razoável, pois tem sido assim nos últimos mil anos ou mais. O cristianismo exportado para todo o mundo durante séculos envolveu predominância da raça branca, história ocidental, teologia e treinamento ocidentais. No entanto, apesar dessa percepção, a realidade é que o cristianismo se tornou uma religião majoritariamente não branca. A mudança do cristianismo também é evidente nas línguas maternas dos cristãos: a língua com mais falantes cristãos é o espanhol (cristãos da América Latina, não da Espanha), seguido por inglês, português (cristãos do Brasil, não de Portugal), russo (por causa dos cristãos ortodoxos) e chinês mandarim.

O encolhimento do cristianismo no Norte Global e seu deslocamento para o Sul Global representam as características essenciais que definem o cristianismo mundial no início do século 21.

No entanto, somente uma abordagem continental é capaz de esclarecer a questão do encolhimento versus deslocamento. Em muitos aspectos, a África é aclamada como uma “história de sucesso” do cristianismo mundial, com um crescimento na porcentagem de cristãos de 9%, em 1900, para 49% em 2020. A República Democrática do Congo tem o crescimento mais significativo, subindo de 1% a 95% no mesmo período. A narrativa do crescimento, contudo, esconde o fato de que os cristãos na África têm menos acesso a médicos, taxas mais altas de mortalidade infantil, HIV e malária, menor expectativa de vida, bem como menos acesso à água potável. A RDC também é frequentemente chamada de “capital mundial do estupro”. A Ásia é conhecida por sua diversidade religiosa e, nesse gigantesco continente, o cristianismo cresceu de 2% em 1900 para 8% em 2020. O crescimento mais rápido ocorreu entre as igrejas domésticas na China, que hoje corresponde a 56 milhões de cristãos. O último caso de deslocamento está na Oceania. Austrália e Nova Zelândia, por causa de suas dimensões, dominam a demografia (com declínio em suas porcentagens de cristãos), mas mudanças religiosas profundas ocorreram na Melanésia, Micronésia e Polinésia ao longo do século 20, hoje regiões majoritariamente cristãs.

Nos últimos 120 anos a África aumentou em

49%

o números de Cristãos


Nos últimos 120 a Europa reduziu em

76%

o número de Cristãos

Vejamos agora o encolhimento. A Europa tem se tornado menos cristã nos últimos 120 anos, decrescendo de 95% para 76%, embora seja amplamente conhecido que a maioria dos cristãos formalmente filiados a igrejas na Europa não são participantes ou praticantes ativos. A América do Norte também experimentou um declínio (de 97% para 72%), mas é o continente onde está o país com o maior número de cristãos, os Estados Unidos. O declínio do cristianismo branco nos EUA foi de alguma forma compensado pelo aumento de cristãos imigrantes – legalizados ou não – em sua maioria da América Latina. A América Latina complica de muitas maneiras a questão do “encolhimento versus deslocamento”. Seus mais de 500 anos de história católica somados à sua localização geográfica no Sul Global a tornam uma espécie de anomalia. A região experimentou um ligeiro declínio, de 95% para 92%, mas esse declínio esconde a tremenda ascensão do cristianismo pentecostal/carismático, que subiu de 0% da população em 1900 para quase 30% em 2020. O caso mais significativo de encolhimento do cristianismo é a região Norte da África-Ásia Ocidental, que inclui Iraque, Síria, Israel, Palestina e Turquia. Essa região esteve sob enorme pressão nos séculos 20 e 21 e testemunhou uma queda vertiginosa em sua população cristã, de 12,7% para 4,2% em 2020. A Turquia, em particular, era 22% cristã em 1900 e sua porcentagem de cristãos hoje é de apenas 0,2%.

Com cristãos presentes em todos os países do mundo, não somos homogêneos ou monolíticos, mas uma assembleia diversa que representa milhares de povos e línguas.

Retornando às perguntas feitas anteriormente: Os recursos cristãos também estão se deslocando? Os textos teológicos estão mudando? Os relatos globais do cristianismo estão sendo escritos? Novamente, a resposta é sim e não. Há enormes disparidades na distribuição de recursos entre os cristãos do Norte Global e aqueles do Sul Global: o Norte detém a maior parte dos recursos, mas o Sul tem mais cristãos. Embora muitos cristãos no Sul Global vivam no limite da sobrevivência, a maioria dos cristãos no Norte vive em relativo conforto e segurança. Suprir as necessidades sociais é parte integrante do testemunho, da teologia e do ministério cristãos no pobre Sul Global. Para as igrejas do Norte Global e seus missionários, a pobreza e a AIDS presentes no Sul não podem ser ignoradas, tampouco a assistência pode ser prestada a partir de uma atitude de superioridade, mas somente com humildade e em reconhecimento da crise de desigualdade existente no cristianismo global.[3]

Reflexão: uma família cristã verdadeiramente global

Como cristãos, pertencemos a duas famílias globais, no mínimo. Primeiro, nascemos na raça humana – esse belo mosaico de povos, línguas, etnias, religiões e culturas. Enquanto celebramos as alegrias de fazer parte dessa rica tapeçaria, nos conscientizamos cada vez mais dos desafios de estarmos tecidos nela. Tendo o conhecimento e os recursos para vivermos bem, ainda falhamos quando tentamos trabalhar juntos para “salvar” nosso planeta. Os líderes mundiais discordam de forma veemente sobre comércio, aquecimento global, armas nucleares e uma série de outras questões. E, no entanto, apesar dessas diferenças, a família humana esbanja criatividade, produzindo maravilhas tecnológicas, estruturas fantásticas, obras de arte deslumbrantes, filmes comoventes, bela música e impressionantes obras de literatura. Nossa família é caótica e engenhosa, e nos alegramos por fazer parte dela.

Família Cristã Global

2.5B


45K

denominações

Em segundo lugar, pertencemos a uma família cristã global composta por 2,5 bilhões de pessoas (cerca de um terço da família humana). Com cristãos presentes em todos os países do mundo, não somos homogêneos ou monolíticos, mas uma assembleia diversa que representa milhares de povos e línguas. Somos católicos, ortodoxos, protestantes e independentes, todos seguindo a tradição cristã central; alguns de nós são evangélicos, pentecostais ou carismáticos, ou uma combinação destes. Além disso, é provável que existam cerca de 45 mil denominações! Talvez falemos o idioma local, mas todos estamos conectados uns aos outros por nossa fé global.

A unidade é uma meta digna para nossa família cristã global. Afinal, seguimos Jesus, para quem a família não apenas designava os parentes biológicos imediatos, mas incluía todos os que estavam unidos pela fé. Nossa família cristã global é definida pela interação e pelo compartilhamento entre diferentes expressões locais de cristianismo. Enquanto trabalhamos essa fé em nossos contextos locais, partilhamos de uma consciência global de nossa fé comum e de nossa identidade familiar global.

Notas

  1. Nota da Editora: veja o artigo de Todd Johnson e Gina Bellofatto, intitulado “Highlights of Christianity in its Global Context, 1970-2020” [“Destaques do cristianismo em seu contexto mundial” em tradução livre. Este artigo está disponível somente em inglês.], no exemplar de junho/2013 da Análise Global de Lausanne, https://lausanne.wpengine.com/content/lga/2013-06/highlights-of-christianity-in-its-global-context-1970-2020.
  2. Todd Johnson and Gina Zurlo, eds., World Christian Encyclopedia, 3rd edition, (Edinburgh: Edinburgh University Press, 2020). To purchase an ebook version of the World Christian Encyclopedia’s Global Overview section with color maps, charts, and photos, please visit our publisher’s website, Edinburgh University Press.
  3. Nota da Editora: veja o artigo de Kirsteen Kim, intitulado “Desbloqueando a partilha de recursos entre o Norte e o Sul”, no exemplar de novembro/2017 da Análise Global de Lausanne, https://lausanne.wpengine.com/pt-br/recursos-multimidia-pt-br/agl-pt-br/2017-11-pt-br/desbloqueando-a-partilha-de-recursos-teologicos-entre-o-norte-e-o-sul 

Crédito das fotos

Foto de Junior Gabriel no Unsplash

Foto de Diana Polekhina no Unsplash

Gina A. Zurlo é PhD em História e Hermenêutica pela Escola de Teologia da Universidade de Boston (2017). É codiretora do Centro para Estudos do Cristianismo Global do Seminário Teológico Gordon-Conwell (South Hamilton, MA) e pesquisadora visitante do Instituto de Cultura, Religião e Assuntos Mundiais da Universidade de Boston. É coautora da terceira edição da World Christian Encyclopedia.

Todd M. Johnson (PhD, Universidade Internacional William Carey) é professor pleno de Missões e Cristianismo Global da Eva B. e Paul E. Toms, bem como codiretor do Centro para Estudos do Cristianismo Global no Seminário Teológico Gordon-Conwell. Johnson é pesquisador visitante no Instituto de Cultura, Religião e Assuntos Mundiais da Universidade de Boston, onde lidera um projeto de pesquisa sobre demografia religiosa internacional. É coautor da World Christian Encyclopedia (2ª e 3ª edições).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*