Disponível em: English (Inglês) | Français (Francês) | Português | Español (Espanhol) |

O impacto da migração global na estratégia da missão se tornou um foco crescente na missão mundial.

Em “Passando o bastão aos migrantes evangélicos” Harvey Thiessen, líder regional da Oceania e América do Norte da OM, e Alena Popova, analista de dados e pesquisadora da Scatter Global, acreditam que uma oportunidade importante de nossos tempos é empoderar os migrantes para serem trabalhadores na linha de frente do reino. Em seu artigo “Passando o bastão aos migrantes evangélicos”, os autores examinam se esses trabalhadores poderiam ter um impacto maior, analisando os dados de migração das Nações Unidas e dados de fiéis que se mudam para as regiões geográficas menos alcançadas. A disciplina, mobilização, treinamento e apoio “revolucionará a forma com qual os trabalhadores migrantes vêm a si mesmos e seu papel” como testemunhas do evangelho para onde quer que Deus os tenha enviado. “A igreja filipina tem estado na vanguarda deste esforço nas últimas décadas e tem aprendido muito na ativação dos trabalhadores migrantes.” Mas é necessária um a jornada intencional de mobilização para conseguir isso, como mostrado no próximo artigo.

Em “Porque os mobilizadores de missões precisam de treinamento de base”, Jojie Wong enfatiza a necessidade de “mobilização de missões estratégicas e baseadas na Bíblia” para as agências missionárias e igrejas nas Filipinas, para que possam crescer de um contexto de missões emergentes para um envolvimento missionário maduro. Mas o que está faltando é um treinamento de base, focado na “base bíblica para mobilização, uma análise crítica das práticas atuais e expectativas não articuladas sobre mobilização” que irão equipar melhor os missionários antes de chegarem ao campo missionário. Wong, com seus muitos anos de experiência internacional em mobilização missionária e desenvolvimento de liderança com a OMF, fez uma análise crítica do movimento missionário nas Filipinas, seu país de origem. Ela fornece valiosas lições aprendidas que são muito úteis para outros contextos de missões emergentes do hemisfério Sul.

Joseph Handley, presidente da Asian Access, está se esforçando para desenvolver líderes para acelerar os movimentos missionários. “Convencido de que uma abordagem colaborativa e comunal de liderança que capacita múltiplos centros de influência” é o caminho para a missão global nesta era de um mundo interconectado, mas cada vez mais polarizado, o autor expõem “seis temas importantes que compreendem um novo modelo teórico emergente de liderança” que ele chama de “O policentrismo como o paradigma da nova liderança”. Os seis temas são: carisma, colaboração, comunidade, relacionamento, liberdade e diversidade. Eles poderiam ser usados como guias ao auditarmos o desenvolvimento de nossa liderança missionária.

A liderança de missão policêntrica “se baseia em uma multiforme sabedoria”, prestando atenção a uma ampla “gama de vozes de líderes que representam os círculos locais e regionais”. Ouvimos algumas das vozes diversas e suas perspectivas globais, enfatizando “como o racismo, sob suas diversas nuances, pode tirar a sensibilidade de nossas consciências ou enfraquecer nossas convicções” na segunda parte do artigo “O racismo e a grande comissão”. Os autores, Jennifer Javed Khan (diretora da Escola Superior, Paquistão), Rebecca Yin Foo (psicóloga clínica e conselheira de jovens, Austrália), Paul Lewis (membro da equipe e apologista, SCFSU, Jamaica), e Susan Ann Samuel (advogada no Tribunal Distrital, Índia), compartilham histórias profundas e pessoais. Através de sua forte convicção do conceito bíblico de uma raça humana criada por Deus e lamento bíblico como a resposta correta, eles desafiam a igreja global “não apenas a pregar o evangelho, mas também a demonstrar o amor de Cristo pelos outros, quer eles tenham a mesma cor de pele ou não”. Pois “o reino de Deus nunca foi sobre cor, tribo, etnia, classe, língua, credo ou religião”.

Que possamos buscar primeiro o reino de Deus e sua justiça como povo e trabalhadores do reino, onde quer que estejamos e em todas as circunstâncias.

A Análise Global de Lausanne também está disponível em inglês, espanhol e francês. Envie suas perguntas e comentários sobre esta edição para [email protected]. A próxima edição será lançada em julho de 2021.

Loun Ling  Lee serve como Editora da Análise Global de Lausanne. Ela possui experiência como Professora de Missão na Redcliffe College (Reino Unido), Diretora de Treinamento da AsiaCMS (Malásia), Diretora da MSI Professional Services (Malásia), Mobilizadora de missões com a OMF e Pastora na Grace Singapore Chinese Church (Cingapura).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*